História da Casa da Esfiha

Na década de 80, o menino Hélio iniciava uma longa trajetória. Funcionário de um restaurante árabe na capital paulista, começou como lavador de pratos. Mas com humildade cultivava o sonho de abrir seu próprio negócio.

Casa da Esfiha Indaiatuba - Fundação

Determinado, chegou a gerente da casa. Fez economias e sentiu que era a hora de um vôo solo. Montou seu primeiro estabelecimento no bairro do Ipiranga, em São Paulo.

Após um tempo, devido à agitação e violência da cidade grande, decidiu fazer uma aposta arriscada: transferir seu negócio para o interior de São Paulo, em Indaiatuba.

No começo era um pequeno e simples restaurante, porém o movimento foi crescendo mês a mês, tanto no local como no serviço de entregas. Ampliações foram necessárias para atender a demanda dos clientes. Anos depois, já fazendo um enorme sucesso, deu mais um passo primordial e estratégico montando em um local próximo ao primeiro endereço uma estrutura muito mais ampla, confortável e moderna.

Com esta fórmula, instalações perfeitas mais produtos em sintonia com o que seu público deseja, fizeram da Casa da Esfiha um exemplo de empresa bem sucedida. É bom ressaltar que este crescimento só foi possível devido à preocupação constante com a satisfação total de seus clientes, à busca de qualidade dos produtos, ao atendimento primoroso e à introdução de novidades constantemente.

Com este alicerce, Hélio (agora já sócio de seu irmão Rubens) decidiu investir ainda mais, abrindo outras unidades e hoje a Casa da Esfiha já é uma rede com 6 lojas nas cidades de Indaiatuba (SP) e Montes Claros (MG).

Nem os mais otimistas sonhos do menino Hélio previam uma trajetória tão espetacular.

A cozinha árabe

Inicialmente trazida para o Brasil por imigrantes vindos do oriente médio, a culinária árabe, logo extrapolou os limites desta colônia e caiu no gosto da população brasileira como um todo, aproveitando a diversidade que forma o nosso povo.

Tendo como carro chefe as famosas esfihas e os igualmente populares kibes, tiveram suas receitas adaptadas aos ingredientes nacionais, fornecidos de forma regular e com um minucioso controle de qualidade na sua seleção. Estas delícias tornaram-se uma excelente opção para uma refeição rápida ou como entrada de verdadeiros banquetes.

É bom salientar o caráter saudável da culinária árabe. Seus pratos são invariavelmente leves e possuem fantásticas propriedades nutricionais, Usa, como matéria prima, condimentos e temperos como tahine (pasta extraída do gergelim), pimenta síria, zaatar, hortelã, romã e outros.

Utiliza como entradas, antepastos como o homus, a coalhada seca, o babaghanujj e o kibe cru, bem como as tradicionais saladas fatouche e tabule. Os pratos principais, são os famosos "charutos" de folhas de uva e repolho. Também fazem parte das refeições a kafta, a abobrinha recheada e algumas variações de receitas com arroz em combinações perfeitas e saborosas.

As sobremesas são um capítulo a parte. Usam em abundância mel, nozes, castanhas, pistache e damasco.